Espaço Health – Princípios do Conceito Mulligan

Espaço Health – Princípios do Conceito Mulligan

O tratamento fisioterapêutico das lesões músculo esqueléticas progrediu desde a sua fundação na ginástica corretiva, no exercício ativo até os movimentos fisiológicos passivos e nas técnicas acessórias aplicadas pelo terapeuta. O conceito de mobilizações com movimento (MWMS) de Brian Mulligan, nas extremidades e deslizamentos apofisários sustentados naturais (SNAGS) na coluna vertebral, são a continuação lógica desta evolução com a aplicação simultânea de ambos os movimentos fisiológicos ativos, acessórios e gerados pelo paciente.

Princípios do Tratamento

Na aplicação de técnicas de terapia manual, os Fisioterapeutas reconhecem que as contraindicações do tratamento existem e devem ser respeitadas em todos os momentos. Embora sempre guiado pela regra básica de nunca causar dor, o terapeuta que escolhe fazer uso de SNAGS na coluna e MWMs nas extremidades ainda deve conhecer e obedecer às regras básicas de aplicação de técnicas de terapia manual.

Específicos para a aplicação de MWM e SNAGS na prática clínica, os seguintes princípios básicos foram desenvolvidos:

1. Durante a avaliação, o terapeuta identificará um ou mais sinais comparáveis, conforme descrito por Maitland. Estes sinais podem ser uma perda do movimento das articulações, dor associada ao movimento ou dor associada a atividades funcionais específicas (i.e., dor lateral do cotovelo com extensão do punho resistida, tensão neural adversa).

2. Uma mobilização articular acessória passiva é aplicada seguindo os princípios de Kaltenborn (isto é, paralela ou perpendicular ao plano da junta). Este glide acessório deve estar livre de dor.

3. O terapeuta deve monitorar continuamente a reação do paciente para garantir que nenhuma dor seja recriada. Utilizando seu conhecimento de artrologia articular, um senso bem desenvolvido de tensão do tecido e raciocínio clínico, o terapeuta investiga várias combinações de deslizamentos paralelos ou perpendiculares para encontrar o plano de tratamento correto e grau de movimento.

4. Ao sustentar o glide acessório, o paciente é solicitado a realizar o sinal comparável. O sinal comparável deve agora ser significativamente melhorado (isto é, aumento da amplitude de movimento, e uma diminuição significativa ou melhor ainda, ausência da dor original).

5. A falha em melhorar o sinal comparável indicaria que o terapeuta não encontrou o ponto de contato correto, plano de tratamento, grau ou direção de mobilização, segmento da coluna vertebral ou que a técnica não é indicada.

6. O movimento ou atividade previamente restrito e / ou doloroso é repetido pelo paciente enquanto o terapeuta continua a manter o deslizamento acessório apropriado. Ganhos adicionais são esperados com a repetição durante uma sessão de tratamento, tipicamente envolvendo três séries de dez repetições.

7. Ganhos adicionais podem ser obtidos através da aplicação de sobre pressão passiva no final da faixa disponível. Espera-se que está sobre pressão seja novamente sem dor.

Caso você sinta algum tipo de dor e queria se livrar dela, venha conhecer um pouco mais sobre essa técnica!! ligue para 4191-1533

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *